Ricardo, cofundador do #Partyu

Ricardo Rodrigues, 26 anos, trabalhava no setor de inteligência do comportamento do consumidor no Peixe Urbano quando teve a ideia do #Partyu, um aplicativo de Facebook que ajuda o usuário a descobrir eventos na sua cidade. Vindo do Mato Grosso, ele conta que sabia que havia “um milhão” de coisas acontecendo na capital paulistana, mas não sabia qual escolher.

“Foi uma ideia que surgiu e fui desenhando com o tempo”, conta. Então, Ricardo levou sua ideia para outros três sócios e os quatro criaram a startup, com recursos próprios. “Eles concordaram que era um problema que atingia muita gente e começamos a fazer pesquisas de mercado”, disse Ricardo, em uma conversa por telefone comigo.

O grupo começou a trabalhar no projeto em dezembro e já lançou um protótipo no dia 15 de janeiro –a ideia deles é trabalhar com as metodologias do Lean Startup, lançar os produtos e colher os feedbacks dos usuários. Inicialmente, o produto foi lançado em parceria com o site Catraca Livre.

“Tivemos uma boa surpresa com o lançamento, porque fomos discretos e, em duas semanas, tivemos 500 usuários conectados”, diz Ricardo. Segundo ele, atualmente já são mais de 600 usuários e 2.700 “curtir” na página do app.

Atualmente em fase de coleta de feedback, o cofundador afirma que as pessoas têm elogiado a iniciativa, porque “adoram o Catraca Livre”. “Eles também gostam bastante do menu e do fato de poderem usar o serviço no celular”, conta. O produto ainda não tem um aplicativo, mas pode ser aberto nos navegadores móveis.

O cofundador da #Partyu afirma que, no produto final, quer ter uma plataforma de eventos e aplicar sobre ela a inteligência de recomendações com a qual teve experiência no Peixe Urbano.

Sobre o modelo de negócio, o #Partyu afirma estar “seguindo a estratégia do Lean”. “Vamos aprender com mais alguns ciclos e ver o que as pessoas realmente gostam, mas acreditamos em monetizar isso de formas associadas na divulgação do evento”, conta Ricardo. Segundo ele, e ferramenta de inteligência por trás do sistema de recomendação de eventos pode ser usada para vender a divulgação mais segmentada.

Por enquanto, o aplicativo funciona em fase de testes e somente em São Paulo, mas Ricardo conta que pretende disponibilizar a plataforma no Rio e em outras cidades “em breve”.