Após aproximadamente três meses, a Experimental AdVenture encerrou seu processo seletivo selecionando três empresas: Bolei, Carica Me e No Radar. De 122 empresas ligadas à Economia Criativa inscritas no processo, as três empresas foram grande destaque ao longo de todas as etapas do processo; desde rodadas de mentoria, até pitching para sócios da Experimental e investidores.

A avaliação das empresas começou primordialmente analisando o perfil da empresa e o quanto esta se encaixa nos setores que definimos como tendo enorme potencial dentro da Economia Criativa. Ao longo de todos esses meses a avaliação nas etapas se baseou principalmente na capacidade de cada empreendedor para tocar o negócio, na inovação de cada empresa em seu modelo de negócios e nas oportunidades que o cenário carioca de Economia Criativa apresenta.

Bolei

A Bolei surgiu com 3 designers que acreditam que é possível acabar com o lixo no mundo e ainda conseguir fazer bons negócios a partir desses materiais. A ideia é transformar objetos de refugo que perderam sua utilidade em produtos úteis e inovadores. Os produtos são feitos a partir dos refugos de produção de indústrias e empresas que querem diminuir desperdício e reduzir o impacto ambiental. Além disso também oferecem também serviços de design de interiores a partir da mesma reutilização de produtos descartados.

Clipraia from bolei on Vimeo.

Carica Me

A Carica Me é uma startup que surgiu para transformar momentos inesquecíveis em camisetas. Eis a dinâmica: o cliente envia uma foto ou imagem e a descrição de como quer personalizar esse material em forma de camiseta. A partir disso a Carica Me alia sua ideia junto da sua foto para criar um produto personalizado e estilizado. A startup já está operando e estuda ampliar a personalização de experiências para produtos além de camisetas como outros artefatos de moda e design.

No Radar

A No Radar começou quando duas jornalistas perceberam que os serviços de assessoria de imprensa eram muito caros para startups que estavam começando e que precisam ser divulgadas. Através de um modelo de negócios inovador, elas se focaram em desenvolver pacotes para a comunicação de nicho que atendesse os interesses de empreendedores que estão começando seus negócios e querem comunicar o que estão desenvolvendo.

As novas empresas já entrarão em ritmo acelerado. A partir do dia 5 de novembro, os empreendedores terão diversos treinamentos e reuniões com mentores da rede Experimental e no primeiro mês trabalharemos bastante o modelo de negócios e como fazer o produto mínimo viável para que as empresas validem a sua ideia no mercado.

Para aquelas empresas que se interessam pelo programa de aceleração da Experimental e perderam a oportunidade de participar desse processo seletivo, a aceleradora vai lançar outro processo seletivo no começo do ano que vem. Enquanto isso, podem entrar em contato para que já conheçam sobre as atividades do programa.

Alguns dos parceiros e mentores da Experimental que nos ajudaram nesse Processo Seletivo:

  • Incubadora Rio Criativo
  • Joca Muller, fundador da Devassa e sócio da Fox Investimentos
  • Fábio Seixas, sócio fundador do Camiseteria
  • André Figueiredo, sócio fundador da Publit
  • Pedro Salomão, sócio fundador da Rádio Ibiza
  • Antonio Morim, Coordenador de Pós Graduação da ESPM
  • Joseana Pereira, sócia da Argumentare e do blog Salada Corporativa