Estava eu navegando quando encontrei uma postagem muito interessante na comunidade Startup Brasil, no Facebook. Me fez lembrar de temas muito populares (e até polêmicos) do ano passado.

Trata-se de um comentário bem desenvolvido pelo empreendedor Brunno Galvão da Cunha, CEO da startup O Holandês (site de pechincha que utiliza o modelo de pregão online). Contatei Brunno, que também achou uma boa ideia compartilhar aqui. Então confira.

 

“Lean Startup não funciona se você não tirar a bunda da cadeira e ir a campo validar seu negócio. Validar o negócio não é um like na sua fan page. Hotsite não é tirar a bunda da cadeira. Não é só ir ao seu cliente e sondar sua opinião. Também não é ter o ok dele. Nem o sim, eu compro se você fizer.

Monte a P… do seu MVP e venda. Dinheiro entrou, provavelmente seu negócio está validado. Ainda assim, estabeleça uma métrica para o que é sucesso e o que é fracasso. Para o peixe urbano, por exemplo, conseguir um estabelecimento e vender uma promoção para alguém que eles não conheciam já era sucesso. Eu não acredito nessa lenda, mas é o que dizem. F-se!

Precisa de dinheiro para começar tudo? Use o seu! Está sem dinheiro? Complicado, mas se você tiver um time para executar busque uma aceleradora. Acha que o dinheiro é pouco? Todo mundo acha. Mas é o que você precisa para começar seu negócio. Acredite, ainda não existe no Brasil nem anjo, nem VC que investe em ideia (Há quem diga que nem lá fora). Você precisa do seu negócio rodando, ainda que seja “low profile” para conseguir algum aporte, e ele não sai rápido. Algo entre 2 e 6 meses. Também acho um absurdo, mas fazer o que. Bootstrapping na veia. Faça com que seu negócio se pague pelo menos. Começar pequeno é uma merda, mas olha o caso do Moip. O Moip (gateway de pagamento) faturava R$3 mil e poucos reais antes do investimento.

Ninguém disse que ia ser fácil. Pense bem se empreender é para você. Não tenha vergonha de aceitar que não é. Se quiser bancar o durão uma hora você vai amolecer. É melhor ser feito de um material flexível. As porradas são de todo lado. Família, Amigos, Mulher, Filhos, Feriados, Deus, São Pedro e etc. Costumo pensar que quanto mais problemas você encontra, mais você está se aproximando de algo (pode ser bom ou ruim). Não importa o não e sim a velocidade que você o encontra. Quanto mais rápido melhor.

Por último: tome cuidado, bullet ball!”