Ontem, publicamos outra enquete, “E se o governo lançasse uma iniciativa Startup Brasil?”. Ao convidarmos os leitores pelo Twitter, um deles emitiu uma opinião categórica, outro passou a interagir e mais dois acabaram participando.

Na conversa, há uma série de informações e argumentos interessantes de se levar em conta. Sem contar que a enquete, em si, também vem colhendo algumas opiniões.

Resolvi não citar aqui quais perfis fizeram as colocações, para analisarmos friamente.

Leitor 1: “o governo de um país é o pior detector de inovação que existe. Se o Start-Up Brasil existisse, estaríamos jogando dinheiro fora”.

Leitor 2: “mas no Brasil é nas Universidades Federais e Estaduais que surgem as principais inovações, não? E elas são financiadas por órgãos federais (Capes, CNPQ) e estaduais (Fapesp e cia). Ou eu que entendi errado?”

Leitor 1: “95% dos projetos de pesquisa morrem antes de virarem empresas, quanto mais inovação. e o Start-Up Chile traz cultura empreendedora de FORA para popular o país, e não subsidiar pretensas inovações chilenas”.

Leitor 2: “um dos problemas(q na verdade não é um problema)do BR nas universidades é q o investimento grosso é em pesquisa básica”

Leitor 3: “investimento, Brasil e Pesquisa são palavras que não combinam hoje”

Leitor 4: “Estão querendo “reinventar a roda”, ao invés de aprimorá-la?”

leitor 2: “Na verdade não conheço o Chile, mas o pouco que conheço mostra que eles estão a frente do Brasil uns 10 anos. A pesquisa básica viram livros em prateleiras, mas são EXTREMAMENTE IMPORTANTES para a pesquisa aplicada. Muita gente acha que o Brasil deveria incentivar o empreendedorismo nas escolas. Eu só sou a favor de (cont). Eu tb acho, mas eu só sou a favor de incentivarem a civilidade antes. Votar direito e saber cobrar é o mínimo! na verdade eu concordo com quase tudo q vcs dizem, só gosto de colocar fogo na discussão rs rs rs)”

E você, o que pensa sobre o assunto? E se você pudesse interferir nesse cenário, o que faria?