Imbuído com o espírito da missão Vales do Brasilí­cio, que me leva a mapear locais empreendedores/inovadores Brasil afora, aproveitei a CICI2011 para explorar Curitiba/PR.

Resolvi visitar a sede da Kidux, que, depois de muito customer development e pivotagem, está com um “produto minimamente viável” na rua. Conhecendo esta história, acabei entendendo melhor algumas características do mercado local/regional.

O mercado startup em Curitiba

Outras startups conhecidas originadas em Curitiba: E-Behavior e Navegg (adquiridas pelo Buscapé), Ewiks e Compra3 (ambas com investidores), MeAdiciona (que recebeu mentoria da Aceleradora). Osvaldo Santana é um desenvolvedor já conhecido por também empreender. Além disso, o Aldeia Coworking vem servindo de casa para uma startup que está se definindo – como também para outros inovadores e empreendedores. Negócios sociais que vem dando certo, como Aliança Empreendedora e Solidarium, também são de Curitiba. O Startup Meetup mostrou um pouco disso.

O que falta mesmo é capital semente, investidor anjo. “Recebemos Prime, da Finep, mas a principal oportunidade de receber capital para se estruturar por aqui é por meio de algumas iniciativas dos gestores de portfolio, que cuidam das finanças de famílias ricas”, explicam Leandro Cruz e Alexandre Marcondes. “Mas isso não vem acontecendo tanto”. Por sorte, os sócios – que já contavam com experiência internacional e já haviam trabalhado juntos em projetos de sistemas – conseguiram um investidor anjo de São Paulo antes mesmo de iniciarem.

A oportunidade da Kidux

Já dizia Steve Blank: a maioria das startups não falha por desenvolver mal seu produto, mas por desenvolver mal seu mercado. O Alexandre e o Leandro são adeptos de lean startups e, para não ficarem sem clientes, fizeram muito customer development. Durante um ano, trouxeram para perto 120 famílias que atuaram como grupo de testes e feedback. Além disso, os dois tem uma agenda repleta de palestras em escolas na cidade e região – e já andaram até no Itamaraty falando sobre o assunto!

Mas, que assunto? As ameaças que o uso inadvertido da Internet pode trazer para crianças. “Somos totalmente a favor do uso da Internet, mas de um uso seguro e saudável”, explicam. E o que eles tem a ver com isso? O Kidux é um sistema que permite aos pais acompanharam, inclusive em tempo real, toda comunicação síncrona, assíncrona e navegação de cada filho. Como? Usando o sistema de contas do Windows (Linux e Mac já estão em teste).

O diferencial perante os concorrentes é que eles fazem tudo e de forma amigável. “Alguns apenas monitoram o MSN, outros apenas bloqueiam sites de acordo com palavras-chave, outros requerem que o pai saiba as senhas dos filhos, outros requerem que o sistema seja oculto. Com Kidux, os pais combinam o permissionamento com os filhos, inclusive o horário em que eles podem acessar a web. Vem funcionando assim”.

Parece que vem dando certo. Desde o início, conquistaram um investidor anjo de São Paulo – que, admitem, já investiu bem mais do que o previsto -, um bom número de testadores, aprontaram um produto com interface amigável, colocaram preço, estão distribuindo CDs de “trial” nas palestras e permanecem antenados com outros tipos de aplicações que seu produto pode ter.

Confira nesta entrevista gravada em dois vídeos.

Esta matéria faz parte da missão Vales do Brasilí­cio.