Estive lendo o blog do evento Social Media Week quando encontrei o ppt "100 Things to watch in 2011" (100 coisas para observarmos em 2011), publicada pela consultoria JWT Intelligence (que patrocina o evento e também tem escritórios no Brasil).

Fiz uma livre adaptação para língua portuguesa – não do ppt inteiro, mas das 100 tendências que (tudo indica) vão bombar.

Algumas das tendências são pessoas, mas outras tantas são modelos de negócios, tecnologias, tendências de marketing, consumo e inovação. Mesmo se fosse apenas especulação ou jabá, valeria a pena dar uma olhada. O ppt original está no final do post, para você ler mais sobre cada um dos seguintes tópicos.

  1. impressão em 3D
  2. classe média africana
  3. aplicativos além do mobile (princípios passam a ser adotados no desktop e em browsers)
  4. art.sy
  5. aplicativos relacionados a automóveis
  6. check-ins automáticos
  7. bambu
  8. bancos proporcionando aplicativos não-bancários
  9. banners publicitários que fazem mais (exemplo: transmissão, descontos)
  10. degustadores e especialistas em cervejas
  11. biomímese (design inspirado na natureza)
  12. arquiteto Bjarke Ingels ("o Lady Gaga da arquitetura")
  13. Brasil como líder eletrônico (alta taxa de adoção de celulares, Internet, mídias sociais, governo eletrônico)
  14. desmonte do livro: publicação por capítulos; meios-termos entre artigo de revista e livro; etc.
  15. brigadeiro (o doce)
  16. "compre um, doe um" (produtos fortemente atrelados a causas de impacto social)
  17. publicidade nos "captcha" (confirmação de preenchimento humano nos formulários online)
  18. livros eletrônicos infantis
  19. o verde passado a limpo: produtos precisam especificar porque se taxam como ecológicos
  20. algodão mais caro (problemas diversos de fornecimento)
  21. turismo culinário
  22. declínio da caixa registradora (dispositivos mais versáteis vem sendo usados largamente)
  23. desmatamento na mira: entidades e eventos tratam cada vez mais sobre o tema
  24. Detroit
  25. paradinhas offline: momento de desligar os aparelhos, desconectar, sentir o ambiente imediato (alguns restaurantes já proíbem até mesmo smartphones)
  26. etiqueta digital: aumenta a necessidade de se observar e corrigir posturas e gafes não necessariamente feitas na Internet, mas em relação ao uso da Internet quando se está com outras pessoas)
  27. mapas digitais de dentro dos locais (como se deslocar em shopping centers, aeroportos, etc)
  28. intervenções digitais
  29. Cidade Tecnológica do Leste de Londres
  30. compartilhamento de livros eletrônicos
  31. reconhecimento facial altera anúncios eletrônicos em tempo real
  32. jornalismo empreendedor
  33. alternativas ao Facebook
  34. fast-moda (produção, entrega e consumo em ciclos menores)
  35. f-commerce (o Facebook como carrinho de compras)
  36. comida científica (projetadas para saúde ou beleza)
  37. hotéis com temática gay
  38. foco em doenças globais: doenças cardíacas, câncer, obesidade e diabetes
  39. carros luxuosos ecológicos
  40. desconto progressivo de acordo com o número de consumidores
  41. maçãs antigas diversificadas
  42. monitoramento de consumo elétrico doméstico
  43. "ignorância é bênção": questionamentos fortes sobre quanta informação realmente é importante publicar
  44. encontros e acontecimentos presenciais
  45. atriz Jennifer Lawrence
  46. turismo em Londres
  47. conteúdo longo
  48. match (chá verde japonês)
  49. saúde no celular: de informações a fichas médicas, agendamentos e interações com profissionais
  50. a obra de Michael Jackson permanece viva
  51. micronegócios de nicho em torno de bens, habilidades, experiências
  52. publicação via celular
  53. memes de celular: "virais" vistos em celular sobrepõem o boca-a-boca
  54. mercado do esmalte: até fabricantes de automóveis fornecem cores exclusivas para as unhas das clientes
  55. nano-cervejarias (caseiras, miro-micro, menores do que as micro-cervejarias)
  56. Near Field Communication (NFC) – mais versátil do que RFID
  57. a nova indústria da mobilidade: fabricantes de automóveis testam carros menores, direção compartilhada, passam a se apresentar como provedores de soluções de mobilidade
  58. a nova cozinha nórdica
  59. nova geração de documentaristas
  60. Neymar
  61. New Kids on The BackStreet Boys: as duas "boy bands" estão em voga novamente e vão se juntar para uma turno
  62. recontextualização de objetos: com a acensão de bens digitais, os bens materiais obsoletos (que foram substituídos) passam a virar fetiche e ganhar status de decoração ou arte (livros, vinil, câmeras analógicas, etc)
  63. odisséias rastreáveis: viajantes passam a publicar em tempo real conteúdo multimídia geolocalizado de suas expedições
  64. mão de obra idosa
  65. The Oprah Winfrey Network
  66. estilista brasileiro Pedro Lourenço
  67. grafos e gráficos dos gostos pessoais (tipo Hunch, Gravity)
  68. jornalista norte-americano Piers Morgan, que assume o posto de Larry King na CNN
  69. produtor multimídia australiano Pogo
  70. automóvel compartilhado
  71. atriz Rooney Mara
  72. rum (a bebida)
  73. cantora Rye Rye
  74. jogador de golfe Ryo Ishikawa, japonês de 19 anos que já está entre os 50 melhores do mundo
  75. tornar tudo leiturável com scan (com QR Codes e afins)
  76. aparelhos auto-carregáveis (que dispensam fontes de energia)
  77. experimentações em refeitórios inteligentes (que encorajam opções de comida saudável, rearranjadas)
  78. infra-estrutura inteligente (por exemplo, redes digitais acopladas nas redes elétricas)
  79. câmeras fotográficas de celulares (smartphones) tornam-se as preferidas
  80. intolerância ao fumo
  81. browsers sociais tornam-se populares (funcionalidades de interação, compartilhamento e recomendação tornam-se "itens de série" dos principais navegadores de páginas)
  82. vigilância de redes sociais (tanto por segurança quanto por políticas empresariais)
  83. objetos sociais (códigos visuais leituráveis que permitem registrar e compartilhar informações e links sobre os objetos do dia-a-dia)
  84. empresas de turismo vendem viagens para o espaço
  85. produtos com história: preferência dos consumidores por produtos que incluam algo interessante sobre sua matéria-prima, fabricação ou comercialização)
  86. padrões mais estritos para construções verdes (sustentáveis)
  87. tablets infantis (iPads e Kindles específicos para crianças)
  88. tap-to-pay (pagamento ágil ao aproximar celular do aparelho de cobrança)
  89. tecnologia como atrativo de outras áreas do consumo
  90. nostalgia offline com aparelhos digitais: aplicativos que retomam hábitos como escrita manual
  91. tatuagens temporárias tornam-se badaladas
  92. filme do personagem Tintin
  93. profissão de produtor transmídia
  94. papel higiênico sem tubo de papelão no miolo
  95. Ucrânia
  96. adaptação de zonas industriais em parques urbanos
  97. telefonemas em vídeo no celular (não mais apenas no computador)
  98. espelhos virtuais: filmam o cliente e simulam uso de roupas, maquiagens, acessórios
  99. aplicativos ativados por voz (talvez nova regulamentação para poder usar quando dirigindo veículos)
  100. transmissões ao vivo pelo YouTube (ou outros sites, não mais usados apenas para armazenamento)

E aí, o que achou da lista?