No Sábado participei do Mobilecamp, evento promovido pelo Juliano Spyer, para discutir mobilidade nas mais diversas formas. Dentro das apresentações tivemos várias coisas interessantes como arte móvel, criação de ví­deo e outros conteúdos direto do celular e também a utilização de aplicativos móveis por profissionais como dentistas e advogados, representados pela Bia Kunze e Josluza Fiorane respectivamente.

Desbloqueio do iPhone

Das histórias creio que a mais interessante de todas foi a do Breno Masi , que se declara o primeiro brasileiro a desbloquear o iPhone. A história toda começa com ele recebendo uma ligação de seu médico perguntando se conseguiria desbloquear um iPhone, lançado dias antes. Breno já trabalhava com desbloqueio de celulares na época e aceitou o desafio. Comprou um Mac financiado e depois de matar alguns aparelhos finalmente conseguiu desbloqueá-lo.

Sua fama foi crescendo a tal ponto que, segundo conta, personalidades importantes vieram procurá-lo. Dentro desta lista encontramos figurões do governo, grandes empresários, etc… Só para ter uma ideia, o Michael Schumacher o procurou para desbloquear o iPhone. A certa altura foi convidado a participar do GSM World e acabou fazendo demonstração ao vivo de desbloqueio no meio da feira.

Neste um ano e meio de iPhone conseguiu juntar um bom pé de meia mas resolveu desistir – por enquanto – da vida de hacker do iPhone. Hoje tem uma empresa que desenvolve soluções para o smartphone da Apple.

Band usa celular para transmissão ao vivo

Outra história interessante foi a do Eduardo Brandini, Coordenador de Tecnologia do jornalismo da Band. Apesar da história ser de uma grande empresa estabelecida, vale a pena conhecê-la devido aos desafios criativos nela envolvidos.

A necessidade surgiu com os dois últimos grandes acidentes aéreos no Brasil. Não existia tecnologia fácil que qualquer repórter poderia ter em mãos o tempo todo para transmitir ao vivo para a televisão. Após estudos internos chegaram em um modelo que emprega um N95 com um software especial e rede 3G de celular para streaming ao vivo para a TV.

Hoje a tecnologia é testada no jornal da manhã. Um repórter sai todos os dias sem rumo definido e ao encontrar uma pauta quente, transmite ao vivo do local com ajuda de um aparelho celular. Interessante, não?