Estudantes de escolas públicas do Rio de Janeiro estão criando vídeos, murais, quiz, quadrinhos e muito mais com o uso de aplicativos como Biteable, Padlet, Kahoot, Pixton, Giphy nas escolas. Eles comprovaram como a tecnologia pode ser uma grande aliada da Educação e tornar a sala de aula mais atrativa e dinâmica durante um evento de reconhecimento do projeto Recode em Escolas, da ONG Recode.

Foram 20 professores de duas escolas municipais do Rio de Janeiro e 60 alunos que experimentaram e se inspiraram com atividades que promoveram a interação dos jovens com ferramentas tecnológicas que podem tornar o aprender e ensinar algo muito mais divertido e atual. O encontro celebrou o encerramento do projeto em 2016.

O professor Luciano Hermes, da Escola Municipal Celestino da Silva, levou os alunos a mapear espaços públicos em torno da escola. “No trajeto de deslocamento entre a casa e a escola, eles descobriram praças, museus, galerias e, com isso, acesso a equipamentos culturais e de lazer. Foi um aprendizado sobre a reutilização dos espaços públicos e sobre como construir conteúdo na internet. Eles usaram o Google Earth e Wikimapia para classificar os espaços, de acordo com o acesso, entre livre e controlado, mapearam o entorno onde vivem e se tornaram autores de conteúdo na internet”, comenta.

A professora Mirian Paula Pinheiro, da Escola Municipal Malba Tahan, explorou o uso de blogs nas aulas de português. “Eles aprenderam a criar blogs, pesquisar na internet, a desenvolver a escrita, a leitura e o interesse pela tecnologia”, conta. “Tinham curiosidade de criar um blog e, assim, aprenderam a reler o mundo, reescrever, sem copiar e colar”.

O projeto é uma iniciativa da ONG Recode com a parceria da Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro (SME_RJ), que ofereceu ao longo de 2016 uma formação pedagógica para professores das Escolas Municipais Malba Tahan (Irajá) e Celestino da Silva (Centro), que atuam com jovens matriculados nas séries finais do Ensino Fundamental II. O objetivo foi contribuir para o empoderamento digital dos docentes e fomentar o uso da tecnologia em sua prática pedagógica, visando a melhora do desempenho acadêmico dos alunos e, por consequência, aumento do índice de retenção de alunos nas unidades escolares.

“O projeto teve foco na formação dos professores, uns dos principais agentes de transformação da Educação, para implementar uma prática pedagógica inovadora por meio do uso da tecnologia. Mostramos a eles como transformar (reprogramar) a dinâmica da sala de aula pelo uso de ferramentas digitais”, explica Elaine Pinheiro, CEO da ONG Recode. “Alguns professores criaram blogs e aplicativos com seus alunos, outros estão usando recursos digitais para dinamizar as aulas e se aproximar mais dos jovens. E são essas iniciativas, que mostram o quanto a tecnologia é facilitadora do processo de ensino-aprendizagem e ajuda a desenvolver nos alunos habilidade para lidar com os desafios complexos da atualidade, que vamos reconhecer neste evento”,  completa.

O Recode em Escolas também acontece em outras quatro unidades escolares, duas em São Paulo e duas em Santa Catarina, totalizando mais de 50 profissionais da educação formados, entre professores e coordenadores pedagógicos.