A Algar Telecom, empresa de telecomunicação do Grupo Algar, acaba de lançar o projeto Cidade Conectada, cujo objetivo é articular o ecossistema de inovação e empreendedorismo em prol de soluções que resolvam os problemas vividos atualmente nas cidades, trazendo informações e serviços ao cidadão e proporcionando, ao mesmo tempo, mais eficiência e transparência na administração pública.

O projeto é resultado da preocupação da Algar Telecom em contribuir para o desenvolvimento das cidades, implementando iniciativas que possibilitem que a inovação realmente se torne uma realidade nestes locais, oferecendo a administrações públicas, construtoras, incorporadoras, entre outros, soluções que tragam mais agilidade e informação, além de qualidade na prestação dos serviços, comodidade, praticidade e economia de tempo. “Nosso objetivo é resolver problemas típicos enfrentados pelos cidadãos e para isso contamos com um conjunto de soluções que inclui desde dispositivos de identificação e de informação para o cidadão, depósitos de coleta de resíduos tecnológicos a bueiros inteligentes que possibilitam a prevenção de enchentes, entre outros”, informou Jean Borges, presidente da Algar Telecom.

Neste primeiro momento, tais iniciativas serão instaladas como protótipos no Granja Marileusa, bairro planejado de Uberlândia homologado como micro polo tecnológico municipal, mas a intenção é que essas soluções, que seguem o conceito urbanístico das cidades inteligentes e humanas chamadas de smart cities, sejam futuramente replicadas em outras localidades.

Segundo o presidente, a realização do projeto só é possível pela cocriação e colaboração dos diversos parceiros da empresa, entre universidades, institutos de pesquisa e desenvolvimento, startups e grandes empresas, como Nokia, C.E.S.A.R., PromonLogicalis, Universidade Federal de Uberlândia, dentre outros. “Nosso intuito é descobrir oportunidades para o oferecimento de novos serviços pela companhia e por isso articulamos diversas parcerias no âmbito nacional para, por meio da inovação aberta, oferecermos soluções criativas com as tecnologias existentes, buscando contribuir para o desenvolvimento e a conectividade nas cidades”, enfatizou.

A proposta da Algar Telecom com o Cidade Conectada é trabalhar com soluções que conectem as pessoas, que são os principais beneficiários das iniciativas a serem implementadas. “Mais do que construir uma cidade inteligente, desenvolvemos essas soluções com o objetivo de conectar o cidadão às mesmas”, reforçou Jean.

As iniciativas serão instaladas em diversos pontos no bairro Granja Marileusa, em Uberlândia, entre eles a Avenida Maria Silva Garcia, a Praça Ciranda e a Praça das Melaleucas. Algumas das soluções serão testadas a partir de 14 de dezembro e outras a partir de janeiro de 2017.

Segue a relação:

– Easybus (parceria com Universidade Federal de Uberlândia)

Sistema embarcado nos ônibus que verifica e reporta em tempo real a lotação e o fluxo de passageiros nos veículos públicos, por meio de tecnologias de vídeo analysis. Por meio do Easybus é possível prever a necessidade de transferir, em momentos de grande lotação, ônibus de outras linhas que estejam mais vazias para atender melhor a população.

– City Totem (parceria com Nokia e C.E.S.A.R.)

Totem fixo que tem como objetivo oferecer interface de acesso entre o cidadão e a cidade. Tem como principais funcionalidades: chamada de atendimento ao cidadão, publicidade dinâmica e estática, vitrine virtual de produtos, entre outros.

– My ID (parceria com Nokia e C.E.S.A.R.)

Sistema que permite a identificação de pessoas por meio de smartphones, wereables e tags (NFC ou RFID) tendo como principal característica o reconhecimento das pessoas independente do gadget utilizado. A identificação também poderá ser utilizada para pagamento de compras e acesso à locais como edifícios comerciais, hospitais, dentre outros.

– IoT Maker (parceria com Ioton)

Plataforma que reúne APIs, serviços de telecomunicações (chips, mensagens, dados, voz, etc), plataformas de telecomunicações (OCS, URA etc) e ferramentas de desenvolvimento para que pessoas e empresas criem e compartilhem soluções para cidades inteligentes. As aplicações desenvolvidas estarão disponíveis em um Market Place. Sensores e atuadores estão sendo desenvolvidos pelo parceiro e estão contemplados na entrega do protótipo.

– E-pontos (parceria com New360 e Fabrimax)

Lixeiras para coleta de resíduos tecnológicos, que possuem sensores que medem o volume de lixo descartado e o espaço restante na lixeira. O lixo descartado dará pontos para a pessoa que o descartar, sendo que os pontos podem ser convertidos em prêmios.

– Centro de Controle do Bairro Conectado

Este ambiente está focado na gestão estratégica e operacional de todas as inovações que serão instaladas nas ruas do bairro Granja Marileusa. Será utilizada a Plataforma de IoT Eu.Gênio, da PromonLogicalis, que foi desenvolvida em padrões abertos e hospedada em nuvem privada e está disponível na modalidade de serviço – o que torna o desenvolvimento de aplicações para a Internet das Coisas acessível para empresas e órgãos do governo dos mais variados portes e perfis, sem a necessidade de altos investimentos em infraestrutura.

Soluções que serão testadas a partir de janeiro de 2017:

– Bueiros inteligentes (parceria com PromonLogicalis)

Os bueiros inteligentes, que utilizam tecnologia M2M e Ultrassônico, são compostos por um ecofiltro (cesta) que se encaixa aos bueiros já existes. Será monitorado, em tempo real, o volume de resíduos retido por estes. Além disso, o bueiro cruza a informação do volume de resíduos já existentes com a previsão do tempo e um sensor de ambiente, que é capaz de predizer, principalmente em períodos de chuvas, a possibilidade de alagamento de determinadas regiões, o que possibilita manutenções preventivas. A mesma tecnologia será utilizada nas lixeiras do bairro.

– Balão de conectividade (parceria com PromonLogicalis)

Desenvolvido em parceria com a Altave (empresa criadora do balão), a solução permite levar conectividade a regiões ermas, com pouco acesso disponível pelos meios convencionais, ao replicar e expandir o alcance de conexões via fibra, redes celulares ou PLC (powered line communication). O balão é equipado com rádios Wi-Fi e LoRa, permitindo a cobertura de grandes áreas e tornando viável a conexão de grandes volumes de sensores.