* Por Pedro Clivati

Com a chegada do verão, início de dezembro e os preparativos para o réveillon, há 2 coisas que podemos esperar no mundo dos negócios: 1) retrospectivas de como foi o ano e 2) previsões sobre como será o próximo ano!

No ano passado, publicamos um artigo falando sobre o que esperávamos de novidades no mercado de marketing de conteúdo em 2016. Dentre os tópicos que apostamos estavam: Mobile, Vídeos e mais empresas fazendo marketing de conteúdo. Todas as tendências se tornaram realidade, como previsto e, ao longo do ano, tivemos o prazer de compartilhar alguns casos de sucesso de empresas que prestaram atenção nas tendências e hoje saíram na frente da concorrência através de estratégias inovadoras.

Utilizando a mesma metodologia dos últimos anos (congressos ao redor de todo mundo, acompanhamento de tendências, bate-papos e troca de experiências com outros players do mercado), construímos uma lista contendo as principais novidades e inovações no mercado de marketing de conteúdo para 2017!

1) Vídeo e Visual

Nunca se consumiu tanto conteúdo em formato de vídeo quanto hoje. Redes sociais (principalmente Facebook e YouTube) têm apostado pesado na nova tendência, o que aumentou significativamente o consumo deste formato de conteúdo, e marcas early adopters têm aproveitado a tendência para variar e/ou complementar suas estratégias de marketing adotando novo tipos de conteúdo, como vídeos, imagens e infográficos.

2) Data-driven Content

Sempre se falou muito a respeito do poder de mensuração do ambiente online e da importância de coletar dados. Transformar tantos dados e métricas em inteligência de mercado sempre foi o grande desafio. O cargo mais cobiçado no LinkedIn (Data-Science Specialist), o ano que mais se coletou dados em toda história e alguns outros exemplos mostram que essa tendência está mais próxima e real do que nunca.

A série de maior sucesso segundo a IMDb, Stranger Things, foi descrita como a maior obra do algoritmo da Netflix.

stranger-thing

3) Mais tecnologia no conteúdo

Esperamos que a tecnologia esteja cada vez mais envolvida no processo de marketing de conteúdo e nas empresas como um todo.  Não apenas na sua distribuição, mas também no planejamento, na criação, no processo de gestão e análise. Os softwares têm se tornado a forma mais eficiente de trazer automação e organização aos times (consequentemente proporcionando corte de gastos e economia de escala). Dois termos que serão cada vez mais populares: Inteligência Artificial (A.I.) e Realidade Virtual (V.R.)

4) Produção interna de conteúdo

O Brasil está posicionado como o terceiro país que mais utiliza Inbound Marketing. Como consequência de tantas empresas adotando a metodologia, temos um número cada vez maior de conteúdo produzido no mercado. Ao contrário do que muitos dizem, o conteúdo não perdeu sua eficiência, mas conteúdo sem qualidade, sem objetivo, sem estratégia e malfeito está perdendo sim seu lugar!

Empresas que terceirizam por completo a produção, não se envolvem em sugestões de pauta, não criam um processo de colaboração entre áreas da empresa ou uma cultura de marketing de conteúdo, perderão espaço e terão resultados cada vez piores.

Por outro lado, a produção de conteúdo relevante, alinhada com uma estratégia de maior qualidade e, muitas vezes, produzido internamente, ganhará cada vez mais destaque em um mercado cada vez mais competitivo.

Curso gratuito por email de como incentivar diferentes áreas da empresa a produzirem conteúdo!

5) Preocupação com processo, além de qualidade/quantidade

Em um cenário de competição acirrada, se diferenciar vai ficando mais difícil com o tempo. Quantidade de conteúdo e qualidade da escrita não serão mais suficientes para se destacar como uma autoridade no mercado em questão. Empresas precisam apostar em melhores processos (e consequentemente mais organização e participação do restante da empresa), em melhores tecnologias (menor tempo gasto, mais resultados obtidos) e melhores colaboradores (gestor de conteúdo e content manager foram alguns dos cargos com maior crescimento na busca do LinkedIn este ano).

the-old-way

6) Native Ads e Influencer Marketing

Este foi o ano do AdBlocker. Novos consumidores já nascem habituados a ignorar qualquer tipo de propaganda que não tenha sido requisitada previamente. Em paralelo a isso, a distribuição se tornou tão importante quanto a criação.

Novas formas de atingir suas personas e aumentar o alcance do seu conteúdo devem surgir como opção para os formatos tradicionais de mídia paga. Os novos formatos que mais têm se destacado perante o mercado são Native Ads e Influencer Marketing, e novos players têm entrado no mercado nacional para garantir o acesso a tais estratégias.

7) Conteúdo para muito além do marketing (Ampulheta)

Inicialmente, o marketing de conteúdo era uma estratégia adotada apenas pela área de marketing com o objetivo de atrair visitantes para o blog e consequentemente para o site. Com o tempo, sua eficiência foi comprovada, o conteúdo foi ganhando espaço em outras áreas da empresa e atingindo objetivos diferentes e mais amplos (ranqueamento, retenção de usuários, atração de talentos).

Em 2017, espera-se mais envolvimento de outras áreas (customer support, recursos humanos, etc.) e o tradicional funil do marketing tomando outros formatos:

funil-de-marketing

8) Live Streaming

Não precisamos de nenhuma bola de cristal para saber que transmissões ao vivo em real-time estão ganhando cada vez mais espaço nas principais redes sociais, vide Facebook Live, YouTube Live, Snapchat, Instagram Stories, etc.

Atualmente vemos poucas marcas se beneficiando do poder da transmissão ao vivo, mas espera-se que um número cada vez maior de marcas utilize tal metodologia de forma inteligente!

9) Conteúdos interativos

O conteúdo escrito não perdeu o seu alcance, porém outros formatos de conteúdo que exigem um engajamento e interatividade maior dos leitores surgirão. Espera-se mais ferramentas, mais quizzes, mais apresentações (slide-share) e outros formatos que envolvem e exigem participação por parte dos visitantes.

Exemplo: FunilDoMarketing.com.br

Pessoalmente, além de todas as tendências citadas acima (algumas já mais realidade do que tendência), minha maior aposta é que em 2017 teremos cada vez mais empresas se tornando empresas de mídia e, consequentemente, gerando receita através das iniciativas de marketing (além dos seus formatos tradicionais de receita: seja produtos ou serviços), sem abandonar seus produtos e serviços core!


Pedro ClivatiPedro Clivati é cofundador e responsável pela expansão global da Contentools. Como evangelista de Marketing de Conteúdo, Pedro participou de conferências em toda America Latina, prestando consultoria a medias e grandes empresas sobre Marketing de Conteúdo, Inside Sales e Inbound Marketing.