* Por Elber Mazaro

Você tem seu “pitch” profissional pronto?

Já trabalhou seu conteúdo para um “storytelling” da sua carreira?

É cada vez mais importante saber contar sua história e “vender o seu peixe”.

Os empreendedores são desafiados a mostrar o valor do seu negócio em poucos minutos para chamar a atenção de investidores, através dos conhecidos “pitches”.

Os marqueteiros são demandados a trabalhar contando histórias e criando conteúdos para marcas que desejam se posicionar e diferenciar no mercado, com técnicas como “storytelling” e “marketing de conteúdo”.

E os profissionais? Estão preparados para contar suas histórias, destacar suas realizações, demonstrar quem são e qual o seu valor?

Durante minha pesquisa para o mestrado em empreendedorismo, que faço na FEA-USP, defini o pilar de transição de identidades de carreiras profissionais, como forma de apoio aos executivos que desejam avaliar ou executar uma migração para o empreendedorismo.

Este pilar inspirado em um livro de Herminia Ibarra, que influenciou muito o meu próprio processo, me levou a identificar algo que sempre foi relevante na minha carreira executiva: a importância da narrativa da sua própria história. O detalhamento e profundidade encontrei em um artigo acadêmico da própria Heminia Ibarra com Roxana Barbulescu: “Identity as narrative: prevalence, effectiviness, and consequences of narrative identity work in macro role transitions”. E também vejo os resultados desta prática, no dia a dia das mentorias profissionais que tenho desenvolvido.

O ideia é simples: saber contar sua própria história pode te ajudar em muitas situações.

Primeiro, pode permitir a sua própria aceitação e explicar situações / momentos importantes na sua trajetória (o mesmo válido para seu empreendimento). Pode ser útil na definição da sua identidade profissional atual e como explicar como ela foi construída.

Versões diferentes da sua história, contadas várias vezes para perfis diferentes de audiência/interlocutores, são importantes para que você possa aproveitar oportunidades através de seu posicionamento adequado, do destaque dos valores e das realizações que realmente interessam a quem pode fazer a diferença em uma decisão.

E finalmente você também pode criar a sua história, descrevendo o que deseja nos seus próximos passos, e onde deseja chegar; por exemplo como deve ser a sua nova identidade profissional e como chegará até ela. Uma projeção.

Todas as técnicas de narrativa podem ser aplicadas, desde as que são propagadas nas aulas de português de diversos cursos, até as utilizadas em pitches para o ecossistema empreendedor ou até as disseminadas em marketing/comunicação (marketing de conteúdo e storytelling). O importante é que seja uma história verdadeira, que possa ser contada no tempo disponível, e que destaque o valor de interesse ao seu ouvinte.

O “elevator pitch” oriundo do mundo corporativo, considerava a possibilidade de você encontrar um executivo top no elevador da empresa e ter ali o tempo de vender sua ideia/projeto, até chegar no andar dele. Hoje muitas startups possuem cinco minutos para apresentação do seu negócio a potenciais investidores, parceiros e clientes.

E eu sempre pergunto aos meus mentorados, qual seria a história deles caso encontrassem o cliente ou o contratante dos sonhos e tivessem 30 segundos para se posicionarem/venderem.

Recomendo a todos o exercício de escrever sua história profissional (isto é mais do que um CV) e contar esta para si mesmo, várias vezes, fazendo os ajustes que perceba serem necessários. Depois conte esta mesma história a pessoas próximas que possam te dar um feedback construtivo.

Faça um resumo com no máximo dois parágrafos, que explique quem é você e qual o seu valor, para que se justifique receber mais atenção. Finalmente, crie versões diferentes para audiências diferentes, por exemplo: explicar na sua família a sua trajetória, o que você faz ou para onde esta indo na carreira, é diferente de apresentar isto para um potencial sócio ou investidor, ou para seu próximo gestor/contratante, ou mesmo para um cliente.

Quando eu atuava como CMO, era muito comum a orientação para que toda mensagem chave de um produto ou marca, fosse preparada para uma “apresentação” de 30 segundos, outra de 3 minutos e também uma de 30 minutos. O mesmo vale para nossa apresentação individual, profissional e até de negócios.

Ter seus pitches prontos e na ponta da língua pode te ajudar a ter paz com sua história passada e com o que deseja ser no seu futuro. Também pode ajudar a te trazer “sorte”, que para mim é estar preparado, no lugar certo, na hora certa, com a pessoa certa, para aproveitar uma oportunidade.

Que tal ser o melhor contador da sua própria história e narrar sua evolução de maneira interessante e impactante?


Elber Mazaro - Espaço do ExecutivoElber Mazaro é cofundador do Descomplicando Carreiras. Assessor, consultor e professor em Estratégia, Marketing e Carreiras. Mestrando em Empreendedorismo na USP, com pós-graduação em Marketing e bacharelado em Ciências da Computação. Possui mais de 25 anos de atuação mercado de tecnologia e liderança de negócio, marketing, vendas, serviços e área técnica.