* Por Marcelo Pimenta

Em 2005 a Dinamize, empresa de email marketing com sede em Porto Alegre, tinha um funcionário, 23 clientes e um faturamento mensal de R$ 16 mil. Em 2016 a empresa está com uma equipe de 60 colaboradores, atende 18 mil marcas e vem faturando R$ 1,5 milhão por mês.

Grande parte dos resultados vem do ótimo desempenho do software Mail2Easy (M2E) Pro, desenvolvido com a missão de ser um dos melhores do mundo. A aplicação começou a ser desenvolvida “do zero” em 2011, a partir do acúmulo de seis anos de experiência da companhia nesse mercado. No Brasil, uma pesquisa da Abradi de 2013 já mostrava o M2E como líder de mercado seguido pelo líder mundial da categoria (MailChimp). E hoje disputa mercado com Responsys, Exact Target, Experian e outros como o português E-goi.

Já que a briga é com os maiores players do mercado mundial, a decisão pela internacionalização foi uma consequência natural pois “decidimos que não queríamos vender a empresa, mas sim em tê-la por décadas”, conta o sócio, diretor executivo e responsável pela “operação internacionalização”, Jonatas Abbott.

A empresa decidiu repetir lá fora a estratégia responsável pelo crescimento no mercado brasileiro: venda principalmente através de revendedores (atualmente são mais de 1.000 canais indiretos no Brasil que comercializam o M2E). O gigante mercado americano foi o primeiro alvo. E a Flórida, a base escolhida para que a empresa iniciasse a conquista do mercado externo (principalmente devido ao número de empresas brasileiras estabelecidas na região e a facilidade de acesso por vôos diretos).

Em março deste ano, sete executivos da empresa desembarcaram nos Estados Unidos para participar do mais relevante evento de e-mail marketing do mundo, o E-mail Evolution Conference (que neste ano foi em New Orleans) para estudar o mercado americano ao lado dos principais concorrentes do mundo.

Parte da equipe que foi aos Estados Unidos para fincar a bandeira Dinamize na terra do Tio Sam

Parte da equipe que foi aos Estados Unidos para fincar a bandeira Dinamize na terra do Tio Sam

Jonatas conta que “nessa viagem abrimos os quatro primeiros canais da Dinamize. No início de junho fizemos uma segunda excursão de negócios, ainda focada em abrir canais brasileiros na Flórida, mas já colhendo frutos da primeira viagem. Entre estes frutos a organização de 3 eventos diferentes. Em Miami e Boca Raton fizemos dois happy hours focados em networking e apresentação da Dinamize para novas agências e em Orlando fizemos nosso primeiro Workshop sobre e-mail marketing em território americano para 80 participantes, entre agencias e pequenas empresas.”

Pergunto se o momento econômico e a instabilidade política brasileira foram fatores considerados nessa decisão de começar a internacionalização. “Crise assusta todo o tempo, o tempo todo. Porém trabalhamos com uma ferramenta (e-mail marketing) que é muito importante em tempos de crise, porque impacta no aumento de vendas e do resultado, com um custo baixo.”

Ele sabe que os resultados não vêm do dia para a noite e confia no sucesso já alcançado anteriormente para conseguir transformar a Dinamize em uma empresa global. E afirma isso no e-mail no qual respondeu minhas perguntas:

“Os primeiros resultados são, como era de se esperar, bastante tímidos. Mas muito parecidos com o início da Dinamize no Brasil. Entre 2005 e 2006 pessoalmente empreendi uma jornada por mais de oito capitais brasileiras e outra dezena de cidades do Brasil abrindo canais, filiais e franquias. Lembro que passado um ano fui cobrado pelos sócios pela demora no resultado direto sobre o faturamento. Porém esta rede, a partir do primeiro ano, passou a dar resultado geométrico e fez a Dinamize começar a dar grandes saltos em seu faturamento e crescimento físico.

“Nos EUA está sendo muito parecido. Estamos falando com dezenas de empresas, abrindo diversos canais e o resultado começa a aparecer aos poucos. São 10 clientes sendo faturados nos EUA pela empresa americana. Temos um site global com venda online que concretizou a primeira venda para a Austrália e a primeira para a Holanda. Em Portugal estamos inaugurando nossa franquia ainda em novembro. Porém como já iniciamos o trabalho temos a expectativa de chegarmos lá com 10 clientes instalados.”

Ele considera que a experiência de internacionalização está sendo fantástica. “Os principais ganhadores são os clientes da Dinamize Brasil e a própria empresa que, ao mirar o mercado mais maduro do mundo, se viu obrigada a evoluir produto, processos e atendimento.”  O investimento na internacionalização até o momento foi de R$ 500 mil (principalmente em viagens, abertura de contas, empresa, tradução de materiais, contratos, tradução do software, eventos nos EUA, site global e registro de marca nos EUA).

Mas a empresa tem fôlego (e caixa) para ir além. O próximo passo é a Dinamize Europa, a partir de Portugal. Depois Canadá, em Toronto, também no sistema de franquia com uma empresa de tecnologia local. E assim, a empresa vai trilhando seu caminho no seleto grupo de empresas brasileiras de software que atuam no mercado global.  A energia dessa jornada internacional parece que vem motivando toda a equipe, principalmente a equipe de vendas, como mostra esse vídeo institucional dos 16 anos da empresa.


marcelo pimenta Menta (Marcelo Pimenta) é jornalista com formação em marketing. Um dos precursores do empreendedorismo digital no Brasil, professor de inovação da pós graduação da ESPM, sócio da Conectt e do Laboratorium e criador do blog www.mentalidades.com.br.