* Por Elber Mazaro

Em abril deste ano, publiquei um artigo sobre as principais diferenças de um Executivo para um Empreendedor, do ponto de vista de perfil e comportamento, o qual foi resultado de um trabalho para a disciplina de Empreendedorismo Inovador, do Mestrado Profissional em Empreendedorismo da FEA – USP.

Recentemente adaptei o artigo original para submeter como relato técnico para o EMPRAD – Encontro de Mestrados Profissionais em Administração, que ocorrerá no final de agosto na FEA – USP. O interessante é que meu orientador, professor Martinho Isnard de Almeida, me desafiou a melhorar minha conclusão e incluir mais da minha experiência e percepção sobre como um profissional que passou por esta transição entendia as diferenças encontradas na pesquisa que fiz sobre o tema para o artigo original. Aceitei o desafio, submeti o novo artigo acadêmico e achei válido compartilhar com todos este “incremento”, conforme segue:

Comparando toda a intervenção realizada com pesquisas e aprendizados do mestrado profissional, com a experiência que vivi na transição de uma carreira executiva para uma posição empreendedora e autônoma, pude concluir que há pouco entendimento no meio corporativo sobre o perfil de um empreendedor de sucesso, e também sobre quais são as principais diferenças de perfil para que uma transição possa dar certo. A mídia tem destacado os resultados e enaltece as exceções, que obtiveram muito sucesso, mas poucos compreendem as motivações, necessidades e a própria trajetória dos empreendedores em geral.

Conclui que a necessidade de realização, propósito/sonho, capacidade de execução flexível e inovação, são as caraterísticas de perfil destacadas na literatura e junto a especialistas, conforme minha pesquisa, e que portanto representam diferenciais importantes, de perfil e comportamento, entre um executivo de uma grande empresa e um empreendedor independente.

Quando realizei minha própria transição, eu não entendia a importância de se encontrar um propósito que justifique o sacrifício de horas e recursos, executando múltiplas funções, que antes eram fornecidas prontas e sob demanda ao executivo. Esta necessidade de realizar muitas atividades em paralelo, para se alcançar um sonho, prevalece, na maioria das vezes, sobre o retorno financeiro e sobre a questão de qualidade de vida, que um executivo no perfil estudado, consegue com sua carreira corporativa.

Isto precisa ser considerado no momento da decisão, pois a maioria dos executivos pensa em mudar de vida, em deixar o estresse / pressão da posição e de viagens, ou se vê com a necessidade de buscar outras opções profissionais e não sabe como é a vida de um empreendedor e nem como é a demanda de habilidades diferentes das que foram adquiridas por ele durante sua carreira.

Durante discussões sobre o tema, em mentorias profissionais, encontrei executivos que ao serem alertados sobre as diferenças aqui destacadas, como a importância de um propósito e de estar pronto para “por a mão na massa” em várias funções operacionais e básicas, desapegando-se de toda uma estrutura organizacional e seus benefícios, e revisaram sua intenção para empreender.

Espero que este artigo e os futuros estudos e projetos em andamento possam ajudar os profissionais de ambos os lados (executivo e empreendedor) a entenderem um pouco mais as dinâmicas de atuação / trabalho do outro e como podem transitar com sucesso no mercado que se transforma e se integra.


Elber Mazaro - Espaço do Executivo / Empreendedor Elber Mazaro é cofundador do Descomplicando Carreiras. Assessor, consultor e professor em Estratégia, Marketing e Carreiras. Mestrando em Empreendedorismo na USP, com pós-graduação em Marketing e bacharelado em Ciências da Computação. Possui mais de 25 anos de atuação mercado de tecnologia e liderança de negócio, marketing, vendas, serviços e área técnica.