* Por João Alfredo Rodrigues Paula e José Cesar Guiotti

A 1ª vez que tivemos certeza disso foi no jantar do lançamento da Anjos do Brasil, feito pelo Cássio Spina, no final de 2011.

Havia cerca de 35 pessoas, sendo mais da metade delas com idades entre 30 e 35 anos e eram empreendedores ou ex-empreendedores, jovens que buscavam informações de como se tornar  investidores-anjo.

Eu e o Guiotti estranhamos o fato, mas a partir daí, começamos a ter a certeza de que o futuro do empreendedor de sucesso seria como investidor-anjo, por uma razão muito lógica: uniria sua experiência com a força e entusiasmo renovado do empreendedor mais jovem.

Todos sabem que o investidor-anjo precisa aportar pelo menos três recursos à startup: financeiro, expertise e networking. O investidor-anjo que já foi ou ainda é empreendedor, agrega outro recurso fundamental: a gestão operacional. Ou seja, a experiência na gestão do “dia a dia” de uma startup. Ele não vai tocar o dia a dia da empresa, mas vai ajudar e muito com o aprendizado de seus erros na startup que já criou anteriormente.

Abaixo, a breve história de Bernardo Vasconcelos de Carvalho, jovem empreendedor e investidor-anjo lá do sul de Minas, nos ajuda a confirmar a tese:

“Sempre gostei de computadores. No início da década de 90, enquanto computadores pessoais eram raros no Brasil, eu tive a sorte de ter contato com um e nunca mais deixei de trabalhar com eles.

No começo da internet brasileira, programadores web eram raríssimos e isto me fez conseguir uma vaga de programador em uma empresa de desenvolvimento no Vale da Eletrônica, em Santa Rita do Sapucaí. Eu tinha 15 anos, acabei crescendo na empresa e até tentei comprá-la, mas o negócio não deu certo. Com 17 anos, eu fui para Campinas para trabalhar em uma multinacional onde fiquei poucos anos, pois passei no vestibular de Engenharia de Computação na UNIFEI (Universidade Federal de Itajubá) e voltei para o sul de Minas onde, mais tarde, também fiz meu mestrado na própria Universidade.

No quarto ano da faculdade, em 2005, montei a minha  primeira empresa com colegas de turma, a B2ML Sistemas. A empresa teve vários problemas pela inexperiência dos sócios e de maus negócios feitos, porém, nos recuperamos e nos firmamos como uma importante fábrica de softwares do Sul de Minas. Hoje temos clientes em todo o Brasil e até em alguns outros países.

Vale lembrar que um dos fatores da recuperação se deve a INCIT – Incubadora de Empresas de Itajubá – ligada a Unifei, que nos ajudou na consolidação e crescimento da B2ML com seu apoio do programa de incubação.

A B2ML, apesar de seu sucesso, não é uma empresa do tipo escalável e de crescimento vertiginoso no mercado. Em função disso, os sócios resolveram arriscar mais, mas de forma cuidadosa com a  B2ML, e pensaram  em ‘Spin Offs’.

A primeira delas foi a Mútuos Inteligência, para solucionar os problemas de compras em redes empresariais e que mais tarde ‘pivotou’, se tornando uma empresa de Procurement. Outra foi a Móvel Software, que acabou sendo um negócio ‘furado’ bem rapidamente. A outra foi o Entregador, uma das pioneiras do Brasil em serviço de delivery de alimentação(e marketplace de comida). Esta empresa mais tarde foi vendida ao Peixe Urbano, com sucesso, e mais tarde ainda, vendida novamente se tornando parte da Hello Food, uma das líderes de mercado no país.

Atualmente eu continuo liderando a B2ML e faço parte do Núcleo de investidores anjo do Sul de Minas. Sou investidor anjo em duas empresas e continuo buscando oportunidades em novos negócios para investir”.

A história do Bernardo poderia ser a de centenas de outros jovens empreendedores de sucesso. Montou sua primeira empresa com colegas de turma, quase “quebrou”, se recuperou, montou outras empresas que não deram certo, e outra que deu muito certo e foi vendida. Agora ele investe em novas startups e ainda procura outros negócios promissores.

O Empreendedor de sucesso é assim: uma pessoa entusiasmada , compromissada e disposto a tudo pelo sonho no qual acredita.

Acreditamos que o empreendedor deve colocar em seus planos futuros como meta a possibilidade de vir a ajudar um novo empreendedor que esteja iniciando. Sem dúvida alguma, essa ajuda será de grande importância para a nova startup ultrapassar suas barreiras.

*João Alfredo Rodrigues Paula e José Cesar Guiotti são coordenadores do Núcleo Sul de Minas da Anjos do Brasil