* Por Daniel Dahia

Um número bem grande de empresas de tecnologia foram criadas enquanto seus fundadores estavam na faculdade, como Facebook, Microsoft, Apple, Yahoo!, Snapchat, Dropbox, Reddit, WordPress e muitas outras.

Existe um motivo para isso acontecer. O Paul Graham, fundador da Y Combinator (a mais prestigiada incubadora de startups norte-americana, responsável por incubar o Dropbox e Airbnb) tem uma frase que explica  o fenômeno perfeitamente: “Novas tecnologias são os ingredientes para startups e conversas com amigos são a cozinha. Universidades tem os dois e é por isso que muitas startups começam lá”.

Paul Graham, fundador da Y Combinator

Paul Graham, fundador da Y Combinator

Ele conta que uma startup geralmente começa quando, durante uma conversa descontraída, alguém diz: “nossa, isso é uma ideia legal para um produto”. Em seguida, outra pessoa imediatamente concorda, geralmente um amigo. É por isso, também, que a maioria das empresas tem mais de um fundador: se não houver a segunda pessoa para concordar, a faísca não vira fogo.

Provado que é possível construir um negócio entre uma passada no xerox e o salgadinho absurdamente caro, vou dar algumas dicas para empreendedores, como eu, que ainda não terminaram a graduação.

  1. Vença o Dunning-Kruger effect

Quando começamos a aprender algum assunto novo de nosso interesse, tendemos a instantaneamente achar que fomos iluminados. O resultado disso é uma extrema confiança, a sensação de que sabemos tudo que pode ser aprendido. A falsa impressão de que tudo que falta é executar o plano.

Em seguida, quando percebemos que, na verdade, a matéria é muito mais complexa do que imaginávamos, somos chocados com uma verdade cruel: não sabemos absolutamente nada. Isso joga nossa confiança lá embaixo e muitas pessoas desistem.

Esse fenômeno é descrito como Dunning-Kruger effect: o crescimento e queda da confiança conforme aprendemos algo novo. O gráfico abaixo representa essa sensação.

dunning-kruger effect

Nós, jovens universitários, temos a tendência de achar que entendemos de tudo e isso, muitas vezes, nos cega. E com startups esse fenômeno é realçado: boa parte da população crê que, depois de ter uma ideia genial, tudo que você precisa fazer é executa-la.

Quanto mais rápido você vencer a barreira de confiança, mais rápido o negócio vai deixar de ser uma brincadeira. No final do artigo, conto como fazer isso.

  1. Converse com todo mundo

Um dos maiores cientistas de networking, Ron Burt, desenvolveu um gráfico que relaciona dois dados: sucesso atingido e tamanho da rede.

A interpretação do gráfico é a seguinte: quanto mais você for a ponte entre pessoas que não se conhecem, maior será seu sucesso profissional.

Ele explica que quando você possui redes sociais grandes, ou seja, é a conexão entre grupos de amigos diferentes, mais ideias chegam até você. Como consequência disso, maior é sua oportunidade de conectar pontos de vista diferentes e mais oportunidades de negócio pairam no ar.

Performance relativa x Tamanho da rede

Performance relativa x Tamanho da rede

Por isso, não posso enfatizar o suficiente: converse com todo mundo. Seja o elo entre grupos de amigos e professores. Fique engajado em entidades estudantis. Desenvolva projetos. Vá em eventos de lançamentos de produtos, livros e serviços. Faça networking.

  1. Leia muito

Para finalizar, vou fazer algumas recomendações de livros e aulas essenciais para vencer o Dunning-Kruger effect e ter noção de verdade do que é preciso para começar um negócio escalável na faculdade.

Antes de tudo, não deixe de assistir as aulas sobre startups do curso “Como começar uma startup“, da Universidade de Standford, ministradas por Sam Altman (Presidente da Y Combinator) e Paul Graham. Convidados especiais também falam algumas palavras, como Dustin Moskovitz, cofundador do Facebook, Peter Thiel, cofundador do Paypal, e Marc Andreessen, um dos maiores investidores do Vale do Silício.

Para se aprofundar, recomendo, sem sombra de dúvidas, o livro Zero to One: Notes on Startups or How to Build the FutureNessa obra, Peter Thiel (cofundador do Paypal e investidor em startups como Facebook e SpaceX), descreve com precisão a base teórica sobre modelar o futuro através de empresas de software, ensinando como começar a criar coisas novas, ao invés de copiar modelos existentes.

Por último, recomendo o famoso livro Lean Startup, do Eric Ries. Ele ensina, de forma bem clara, como validar suas hipóteses e colocar um produto mínimo viável no ar. É essencial para dar os primeiros passos.

Finalizando, minha mensagem é: qualquer um com força de vontade e disposição para aprender pode começar uma startup na faculdade, basta correr atrás.

Mas tome nota: seus problemas se tornarão muito maiores do que a frequência nas aulas e os frios na barriga serão bem mais fortes do que quando você abre o portal de notas da faculdade.


foto_bio_danieldahiaDaniel Dahia: Acredita que a tecnologia é a única forma de moldar o Universo. Estudante e cofundador do Spotshopp, startup de varejo que conecta lojas e clientes durante o momento da compra. Escreve sobre tecnologia e empreendedorismo desde pequeno e atualmente é colaborador do MacMagazine e Startupi.