* Por André Bianchi

Não tenho formação como mentor e muito menos sou consultor, sou um mero empreendedor que desde 1995 tem tido experiências com negócios próprios. O primeiro em Seattle-EUA e os demais aqui no Brasil, porém com atividades em estados americanos como na Flórida e Califórnia. Neste ano, a empresa que possuo a mais tempo completa 10 anos e as mais jovens entre três anos ou menos e nestas tenho compartilhado com jovens empreendedores minhas experiências, pois tenho recebido deles muitas dúvidas sobre seus negócios, como tracionar e como apresentar um pitch, por exemplo.

O que tem me chamado muito a atenção é que a maioria das pessoas ainda acham que ter uma ideia já é o suficiente para ter sucesso e não percebem que a ideia em si não possui valor algum e o que realmente vale é a sua execução. Em contrapartida, percebo uma mudança de comportamento, busca por conhecimento e preparo por uma outra parte dos empreendedores, ainda tímida, mas essencial para os negócios.

Abaixo, três cases que tenho acompanhado de perto de empreendedores que estão fazendo a lição de casa e pensando fora da caixa e gostaria de compartilhar com os leitores:

Brastax: Tive oportunidade de fazer parte de algumas edições da banca de investidores do concurso ACELERA STARTUP da FIESP em São Paulo e em uma dessas avaliações, me chamou a atenção um dos participantes, Murilo Canova Zeschau, com sua startup. Percebi pontos de sua apresentação que deveriam ser destacados e outras informações que deveriam ser implementadas e rapidamente o jovem alterou a apresentação original, pois ainda passaria por mais três avaliadores. Dentre os 200 participantes daquela edição, ele foi selecionado e na última etapa alcançou o primeiro lugar.

Uma observação importante: no Brasil, startup é muito relacionada a tecnologia como produto final. No caso da Brastax, o business é no segmento de biotecnologia com micro algas, claro que existe tecnologia aplicada especialmente na parte da inteligência no tratamento dos dados gerados, porém continua sendo uma startup.

Após o evento mantivemos nosso contato por meio de calls e o feedback foi que eles receberam aportes, conquistaram editais de fomento e, em meu último contato, um dos sócios estava na Europa a negócios pela Brastax.

Wave: Em outro caso, por apresentação de dois amigos Rodrigo Vasconcelos e Gustavo Gabriel, conheci um jovem inquieto chamado Gabriel Cantarin, da cidade de Ibitinga-SP. Eles o convidaram para participar de um bate papo e realizar a apresentação de seu projeto.

Conversamos, agendamos alguns calls e este mês recebo a notícia de que ele foi selecionado para fazer um Pitch no Vale do Silício pela Plug and Play Tech, notória aceleradora. Inclusive, em uma das conferências que realizamos, Gabriel fez a apresentação de seu Pitch em inglês, mostrando grande domínio da língua inglesa e sem enrolação. Nos cinco minutos, falou sobre o projeto, problemas e soluções que criou, apresentou números sobre a área que irá atuar e qual o valor que necessita para investimento, assim como qual será a porcentagem destinada aos Angels. É inspirador quando vejo jovens se preparando desta forma, abrindo mão da segurança de seus empregos e tendo a coragem de seguirem seus sonhos.

Networkr: E por fim, não posso deixar de lembrar dos jovens Daniel Bonato Quintanilha e Márcio Nóbrega, fundadores da Networkr, que vieram até minha cidade por duas vezes, pegaram estrada, mas aquelas três horas de bate-papo renderam muito. Em pouco mais de 12 meses, já estiveram duas vezes no Vale do Silício, foram convidados a palestrar sobre seu negócio e atualmente conseguiram mais um sócio direto de San Francisco para integrar a equipe que já atua em uma empresa global e agregará muito aos negócios com sua experiência.

Nos três casos acima fica muito claro que SONHAR é uma coisa e ter ATITUDE é outra.

Embora o termo empreendedorismo esteja na moda, com muita gente falando a respeito, porém com pouco conteúdo e conhecimento de causa, temos pessoas como Gabriel, Daniel, Márcio e Murilo que estão inspirando e motivando muitos outros jovens e que, tenho certeza, serão pessoas como eles que poderão e farão a diferença no futuro de nosso País!


and1André Bianchi -Presidente ABRADi-ISP (2013-2015), Presidente Comitê Regionais ABRADi Nacional, CEO e Diretor de Missões Internacionais ao Vale do Silício BWi Participações ( 5 Edições), Sócio e Conselheiro Grupo GV8, Sócio investidor: IEV Digital, Terere House, Fraternal Shop e PPt Slides, Membro Banca de Investidores Anjo  Acelera Startup – FIESP  ( 4ª e 5ª Edição).