O SEED – Startups and Entrepreneurship Ecosystem Development, teve seu novo Edital para participação da terceira rodada disponibilizado no último dia 1, sexta-feira, pelos sites Minas Digital e Fundep. Como esclarecido em julho pelo Subsecretário de Ciência, Tecnologia e Inovação, Leonardo Dias, o programa nunca acabou, apenas passou para uma nova gestão e por isso precisou de um prazo de reestruturação. E agora, sob condução da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Minas Gerais e com recursos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais – FAPEMIG, o SEED abre as inscrições para uma nova etapa.

O início da primeira rodada acontece em maio de 2016. Para isso, todos os interessados devem submeter suas inscrições por meio de formulário eletrônico no site Minas Digital, entre 8 de janeiro e 3 de fevereiro de 2016. A seleção será composta por três fases, com um primeiro corte dos 160 melhores, seguido por um com apenas 60, e, finalmente, a eleição dos 40 participantes. Já estão definidos todos os critérios a serem utilizados para essa avaliação, e podem ser conferidos no Edital. O resultado da seleção dos projetos será publicado na página do programa, a partir do dia 30 de março.

Cada projeto apoiado será beneficiado com a concessão de incentivos financeiros e a disponibilização do escritório compartilhado. Além disso, serão fornecidos também espaços para a realização de reuniões e eventos, metodologia de formação empreendedora e de aceleração de negócios, promoção e incentivo à realização de eventos. Esses eventos servirão tanto para acompanhamento da execução dos projetos quanto para aproximação entre os participantes e o ecossistema local de startups. Em contrapartida, os empreendedores retribuem à cidade inspirando o ecossistema, realizando workshops, cursos ou oficinas, com os objetivos de difundir conhecimentos, habilidades, experiências e os resultados de cada startup.

Evolução

O SEED se aprimora cada vez mais em seu papel de fomentador do ecossistema de startups de Belo Horizonte. Para isso, serão selecionadas até 40 startups, o que pode incluir também projetos internacionais, cujos empreendedores terão o visto facilitado para permanência obrigatória no Brasil. O programa acredita que essa atitude promove a globalização da cultura empreendedora, cria um intercâmbio entre diferentes padrões de negócios e torna o programa uma iniciativa não apenas local, mas global.

Em relação à verba, duas mudanças importantes aconteceram: o programa não funciona mais no sistema de reembolso – as compras necessárias serão realizadas pelo programa com o valor de investimento – e a contrapartida diminuiu para 5%. No total, mantém-se o valor máximo de R$ 80 mil (R$ 44 mil de investimento e bolsas de R$ 12 mil para cada empreendedor, sendo até 3 sócios de cada empresa).

Outra mudança importante é a alteração da sede do programa. A nova sede será inserida em uma região que possibilita a criação de um novo ecossistema inovador na capital, no Espaço CentoeQuatro, na região central. O espaço em si já está se destacando na cultura inovadora, funcionando como espaço de coworking e até comportando edições de Demo Day.

Os objetivos do programa agora adequam-se ainda mais à sua posição como ação estadual, especialmente por sua integração ao programa Minas Digital, que vai reunir todas as iniciativas governamentais de incentivo e apoio à Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I) para expandir o já poderoso ambiente de inovação de Belo Horizonte para Minas Gerais. Assim, as novas metas são: acelerar o desenvolvimento do ecossistema de startups de Minas Gerais; fomentar o empreendedorismo tecnológico, atraindo e mantendo capital humano na região; estimular o desenvolvimento da inovação tecnológica no ambiente produtivo, induzindo a cultura de inovação no Estado; promover a agregação de valor à atividade econômica; potencializar a interação, as redes e a transferência de conhecimentos e habilidades entre empreendedores apoiados e o ecossistema local de startups; aproximar os empreendedores locais dos polos mundiais de inovação; incentivar o surgimento de casos de sucesso que tenham efeito demonstrativo e multiplicador; e desenvolvimento socioeconômico para o país.