A essa altura, é difícil alguém do meio da tecnologia desconhecer o Start-Up Brasil, programa do governo brasileiro de aceleração de empresas nascentes de base tecnológica. O segundo ano de programa está prestes a começar e os organizadores divulgaram um balanço geral de 2013 para dar uma ideia da dimensão do projeto.

No ano passado, mais de 1.600 startups se inscreveram para participar do Start-up Brasil. Dessas, 118 foram selecionadas em duas turmas e 87 foram apoiadas. A diferença entre selecionadas e apoiadas se dá porque muitas startups desistiram do projeto por não chegarem a um acordo contratual com as aceleradoras do programa ou simplesmente pela necessidade de instalação no Brasil, já que algumas das escolhidas eram estrangeiras.

As 87 startups selecionadas vêm principalmente de São Paulo (27 apoiadas), mas também do Rio de Janeiro (9), Pernambuco (8), Minas Gerais (7), Paraná (5), Rio Grande do Sul (5), Alagoas (3), Goiás (3), Ceará (2), Distrito Federal (2), Espírito Santo (2), Rio Grande do Norte (2), Mato Grosso do Sul (1), Pará (1) e Santa Catarina (1). As outras startups são de fora do Brasil e vieram dos EUA, Colômbia, Irlanda, India e Chile.

Aceleradora

Conforme previsto no edital, para que as startups recebam os recursos, elas precisam se associarem a uma das nove aceleradoras escolhidas em duas fases programa (21212, Acelera MGTI, Acelera Partners, Aceleratech, Outsource, Papaya, Pipa, Start You Up e Wayra).

As aceleradoras realizam investimento direto nas startups em troca de parceria acionária. O programa divulgou que, em média, as startups cederam 10,4% de participação.

Nas duas turmas de apoiadas do ano passado, os investimentos financeiros das aceleradoras e do Governo totalizaram R$ 19,6 milhões mais R$ 15,4 milhões em infraestrutura, workshops, mentorias, parcerias, bolsas etc.

A maioria das startups são dos setores de educação (17%), TI e Telecom (13%) e Varejo (9%) e 47% das apoiadas são B2B, ou seja, focadas em soluções para empresas.

Neste ano, as aceleradoras Acelera Brasil (gerida pela Microsoft), Outsource Brazil e Pipa saíram do programa (para novas turmas. Elas continuam acelerando startups selecionadas em turmas de 2013) e seis novas entraram no lugar: Acelera Cimatec (ligada ao Senai na Bahia), Baita Aceleradora (de Campinas), C.E.S.A.R. Labs (ligado ao instituto em Recife), TechMall (ligado ao PDItec em Belo Horizonte), Ventiur (de Porto Alegre) e Wow (também da capital gaúcha).