O brasileiro Vinícius Maracajá-Coutinho viu numa startup a maneira mais fácil de fazer ciência. Para ele, depois de ter um projeto, o próximo passo é ter investimento para fazê-lo acontecer. A melhor maneira para isso? Doação livre e espontânea de qualquer pessoa. Doutor em Bioinformática, Vinícius fundou a Dodo – Biotech Crowdfunding, site de financiamento coletivo para pesquisas em biotecnologia, que foi selecionada para a próxima edição do Start-Up Chile, em fevereiro. O projeto receberá 40 mil dólares de investimento do governo chileno e ficará seis meses no país.

A Dodo é a primeira iniciativa do seu tipo e tem como objetivo unir a população com a ciência. As pessoas escolherão a partir de suas necessidades a pesquisa que terá continuidade e que pode influenciar suas vidas. Ao mesmo tempo, qualquer pesquisador pode inscrever seu projeto e ser endossado.

Vinícius se inspirou no Citizen Site, projeto americano que aceita doações para pesquisas científicas. A Dodo já tem projetos inscritos na ferramenta. Um deles é uma pesquisa do mapeamento genético da Cochonilha do Carmim, inseto utilizado para extração de corante pela indústria, mas que está dizimando a planta Palma Forrageira – alimento importante para o rebanho bovino no nordeste brasileiro. O estudo pretende realizar o sequenciamento genético do animal para que se descubram formas mais inteligentes para o controle do inseto sem prejuízo para a agricultura.

Antes da Dodo, Vinícius também já havia fundado a Beagle Bioinformática, que oferece serviços de análise e desenvolvimento de informação genética.

 

Start-Up Chile

O Start-Up Chile selecionou a Dodo e outras 99 startups a partir de mais 1.900 inscritos de todo o mundo. O evento começa no próximo dia 5 de fevereiro e a equipe do Dodo estará presente. O programa é uma parceria entre o Governo do Chile e o Ministério da Economia do país e pretende levar o Chile ao eixo de países que apoiam a inovação e o empreendedorismo.

Veja a lista de startups selecionadas para o Start-Up Chile aqui.