Fiquei pensando em vários títulos bacaninhas para este post, mas nenhum ficou melhor que o nome do livro que quero comentar.

No ano passado, quando Luli Radfahrer comentou comigo que estava elaborando um livro e que ele seria um guia de exemplos e dicas, botei fé que seria muito interessante.

E eis que ele acaba de pré-lançar a “Enciclopédia da Nuvem” e convida para um evento de conteúdo.

Quem já ouviu ou leu algo do Luli, sabe que ele combina de forma atualizada (e crítica) conhecimento acadêmico e de mercado. Este livro que ele está lançando analisa e recomenda uma série de serviços online, tanto nacionais quanto estrangeiros, que podem ser usados por profissionais e organizações de qualquer tipo e tamanho.

Pra quem já usa a nuvem, inclusive para ganhar dinheiro, e já sabe do que se trata, a utilidade do livro pode estar nos insights que o autor apresenta sobre ferramentas nem sempre óbvias – afinal, são centenas de casos, talvez você conheça algum que seja novo para você e sirva até como benchmarker.

Clique para ver um exemplo de tabela apresentada no livro, cruzando soluções, ferramentas e cases.

O livro contém três tabelas que cruzam soluções, ferramentas e cases. Nas palavras do próprio:

Em círculos técnicos, “nuvem” é sinônimo de rede, em especial de Internet. Mas esta não é uma enciclopédia de Internet. É de parte dela, a que abrange aplicativos e serviços hospedados ou processados remotamente, usando a rede mundial como estrutura, intermediário ou objeto final de sua ação.

Boa parte das empresas com produtos nessas condições os classifica sob a categoria de SaaS (Software como Serviço, em inglês), em que o algoritmo não é mais vendido a seu usuário final, mas “alugado” de servidores remotos, processado por máquinas dedicadas e entregue na forma de interface. A casa das máquinas fica distante, algumas vezes é distribuída, e tudo o que se vê é o balcão de atendimento.

O livro trata de aplicativos online (chamados de ferramentas) e serviços cujas tarefas não podem ser automatizadas ou que dependam de interações com outras pessoas. A divisão serve apenas para facilitar a compreensão. GMail, por exemplo, é chamado de ferramenta. Já Linkedin é um serviço. São abordados aproximadamente 340 ferramentas e 220 serviços, além de mais de 130 cases com exemplos de situações.

Nem vou entrar nos exemplos que ele aborda porque você pode fazer isso sozinho e direto na fonte, pois ele está distribuindo uma amostra digital gratuita do livro (que vai ser impresso). O lançamento do livro acontece no dia 9 de abril, em São Paulo, com uma série de palestras e debates – confira mais informações.